irromper

Voltou. Entrou mais uma vez nos meus sonhos. Revirou o baú e descobriu aquela carta guardada. Aquela carta de amor que, depois de escrita e selada, não havia sido lida por ninguém. Mas rompeu o selo e mesmo já imaginando o que ela dizia me forçou a ler. E em voz alta! Como quisesse não só confirmar suas suspeitas, mas as ouvir como uma declaração. E mais! Como quisesse me fazer admitir para mim mesmo os sentimentos que não queria revelar. E aí se foi, estava desencadeado. E aí se foi, ou veio, é, veio. Veio tudo. Voltaram fantasias, voltaram ilusões, voltaram vontades e desejos ocultos. Voltou toda aquela tempestade. E feito fera que, enclausurada por muito tempo, irrompe revoltada e desastrosa, destruiu tudo o que antes a escondia e trancava. Destruiu até as mentiras que sustentavam sua ocultação.  Depois disso eu não sabia mais viver.  E depois disso não saiu mais dos meus sonhos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s