desperto

Corria pelo simples e puro prazer de correr. Sentia o vento bater em seu rosto fazendo revoarem seus cabelos longos, leves e alourados. Provava do gosto da liberdade e do sabor de descobrir o que seu corpo poderia fazer. O menininho corria sem olhar para trás, sem notar o mundo ao seu redor, sem, quase sem notar nem mesmo o rumo que seguia, sem perceber os olhares emocionados que pela vizinhança toda surgiam pelas janelas e portas em todas as direções. Sem perceber que lá atrás no início da rua e em frente a uma modesta, mas bonita casa de telhado azul uma lágrima silenciosa escorria pelo rosto de um homem alto e louro que abraçava uma mulher aos prantos. Lágrimas, todavia, tão diferentes daquelas que até semanas atrás eram derramadas diariamente naquele corredor de hospital.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s